se você tiver alguma dúvida, peça ajuda ao nosso assistente
             
 

PROCURE NO WEBSITE

Informações Úteis

A escolha do melhor amigo
Castração em Cães e Gatos
Cuidados com filhotes de cães e gatos
Dicas e Cuidados com a Nutrição do Seu Cão ou Gato

O condicionamento dos cães
Você é um Proprietário Responsável ?
Vermifugação de Cães e Gatos
Vômitos e Diarreia



A escolha do melhor amigo

É chegado o grande momento! Você decidiu adquirir um cãozinho e agora está cheio de dúvidas... Como escolher o meu melhor amigo? Quem consultar? Onde comprar? Devo adestrá-lo?
Bem, você já sabe que ter um cão exige muitas responsabilidades, direitos e deveres. Antes de mais nada, você deve analisar as suas condições: qual será o seu custo mensal (alimentação, higiene, veterinário, adestrador); existe um local com espaço adequado para o cãozinho ficar; você terá tempo disponível para se dedicar a ele. Você deve procurar um médico veterinário para que ele dê toda assistência necessária. E não é só isso! É necessário contratar um adestrador para educar o seu cãozinho desde o momento que ele chega na sua casa (educando-o desde o início, você evitará problemas futuros).
Tendo pensado nesses pontos, você precisa saber para qual finalidade quer o cão: defesa pessoal ou patrimonial; companhia; demonstração artística; esporte; caça. A seguir, basta ver qual será o cão de sua preferência (presente num dos grupos mencionados acima). Pode ser um cão de pequeno, médio ou grande porte; macho ou fêmea. Como você pode perceber, é muito simples, não! Se você estiver com dificuldades, basta contratar um profissional qualificado, mas não para que ele escolha uma raça ideal para você, mas sim para ajudar você a esclarecer as dúvidas. Você é quem deve escolher o seu melhor amigo (dentro das suas necessidades e finalidades).


José Soares dos Santos Neto - adestrador de cães
www.hungarosoares.com.br
escola@hungarosoares.com.br



Castração em Cães e Gatos

Por quê castrar ?
Esta dúvida é uma constante no dia a dia dos proprietários de cães e gatos.
O medo, o trauma da cirurgia e a falta de orientação especializada são os principais vilões na clínica médica.
Conhecer as vantagens e as desvantagens da castração garante ao proprietário, segurança e rapidez em sua decisão.
Seguem abaixo alguns efeitos deste procedimento:

Em machos:
• Diminuição da dominância do macho sobre o dono;
• Diminuição da agressividade;
• Diminuição da marcação de urina;
• Diminuição da libido (mas quando o macho é castrado após a maturidade sexual, não se elimina em 100% dos casos o comportamento sexual);

Em fêmeas:
• Ausência de comportamento sexual (cio, prenhez, pseudciese);
• Ausência de comportamento típico do estro (vocalização – gatas, movimentação);
• Diminuição da superpopulação;
• Diminuição dos riscos de tumor de mama (fêmeas castradas antes do 1º cio);
• Pode aumentar a agressividade;


É importante deixar claro que a castração é um procedimento rápido e simples, mas que deve ser realizado por um médico veterinário.
A castração não frustra o animal por isso não deve ser motivo de frustração para o dono.
Pelo contrário, é uma decisão consciente e responsável que visa o bem estar do animal e o equilíbrio populacional, evitando o abandono e sofrimento.


Cuidados com filhotes de cães e gatos

A vacinação é o primeiro ato de responsabilidade e carinho que o proprietário terá com seu filhote, afinal, além de protegê-lo contra doenças perigosas, e até fatais, previne contra outras, que podem ser transmitidas a nós mesmos (como a raiva e a leptospirose).
A aplicação de todas as doses necessárias deve ser feita na clínica, pelo veterinário de confiança do proprietário. Os esquemas mais comuns de vacinação estão detalhados nos tópicos vacinação de cães e vacinação de gatos. O animal não deve ser levado a passeios antes da terceira dose da vacina V8, para cães e da tríplice felina, para gatos, o que ocorre por volta dos quatro ou cinco meses de idade.. Antes desse período o animal não está totalmente protegido contra as doenças que a vacina combate, sendo necessário que sejam resguardados e se evitem passeios e aglomerados, como parques, até cerca de 15 dias após a última vacina.
A vermifugação é indicada para que os filhotes estejam livre dos vermes, antes mesmo que eles venham a se tornar "uma doença". Isso porque a verminose prejudica a saúde do animal (provocando falta de apetite, anemia e distúrbios gastrointestinais como vômitos e diarréias) e representa um risco para a família, uma vez que os vermes dos animais podem também infestar as pessoas.
A alimentação é de extrema importância nesse período de desenvolvimento, portanto, após o desmame, que deve ser de aproximadamente 40 dias, o animal pode iniciar gradualmente uma dieta, com uma ração comercial de qualidade, específica para a idade. Caso o animal não tenha tido a oportunidade de receber o leite da mãe, podemos substituí-lo por um leite artificial caseiro ou comercial. A comida “caseira” é contra indicada, afinal ela não fornece as necessidades básicas e nem é tão balanceada quanto às rações comerciais, para um desenvolvimento seguro do animal. Evite dar leite ao cãozinho: os cães não digerem a lactose e o leite poderá causar desarranjos intestinais. Não se esqueça também de manter sempre água fresca à disposição do animalzinho.
Para a higienização do filhote jovem (com menos de 40 dias), caso haja a necessidade, deve-se utilizar produtos específicos para higiene suave, como loções de limpeza que são aplicadas sem a necessidade de molhar o animal. Animais com mais de 40 dias, podem ser banhados em intervalos mensais ou quinzenais, com água morna corrente e shampoos suaves indicados para filhotes. O banho deve ser dado nos horários mais quentes do dia e sempre os mantendo com proteção das orelhas, para evitar otites. A secagem dos animais é importantíssima, já que qualquer friagem pode causar estresse ao organismo e até deixá-lo doente.
Para animais de pêlo longo, acostume-se a escovação da pelagem, esse ato além de manter a pelagem bonita, permite que você perceba a presença de pulgas, carrapatos, lesões etc. Para a limpeza das orelhas, devemos utilizar produtos otológicos específicos, ou um algodão seco. Não permita que entre água dentro dos condutos auditivos no banho, por isso sempre tome cuidado e utilize algodão para protegê-los. As unhas longas também devem ser aparadas quando o animal não está habituado a gastá-las.


Cláudia Matsunaga Martín, Médica Veterinária, CRMV-SP 12.583, cmmartin@uol.com.br
Pet Shop Shampoo e Carinho: 50342956 - 50341482



Dicas e Cuidados com a Nutrição do Seu Cão ou Gato

Forneça somente alimento industrializado (rações). Jamais forneça comida caseira ou resto de comida. Por melhor preparada que seja a comida, ela nunca será tão balanceada e completa quanto a ração.

Ofereça somente rações fabricadas por Empresas idôneas e renomadas. Cuidado com produtos desconhecidos e/ou muito baratos. Geralmente não são bons para seu animal de estimação.
Informe-se à respeito.

Prefira alimentos secos e semi-secos aos úmidos (latas) e semi-úmidos (rações "macias"). Os secos são melhores e mais completos nutricionalmente e ajudam na limpeza dos dentes e prevenção do tártaro.

Jogue fora alimentos secos da vasilha não consumidos em 24 horas. Jogue fora aos alimentos semi-úmidos não consumidos em 1 hora. As latas abertas devem ser consumidas de preferência no mesmo dia (não deixar na geladeira por mais que 2 dias).

Coloque o alimento somente na hora da alimentação do animal. Crie hábito de horários.

Divida as refeições em 2 vezes para animais adultos. No caso de filhotes, deve-se dívidir em 4 vezes para animais de 2 a 4 meses e em 3 vezes para animais de 4 a 8 meses. Informe-se na embalagens sobre a quantidade diária recomendada.

Prefira comprar embalagens fechadas do que o alimento por quilo (à granel).

Cães devem comer alimentos para cães, assim como gatos devem se alimentar de produtos para gatos; e filhotes devem comer alimentos para filhotes e adultos para adultos. Jamais de alimento não apropriado para seu animal.

Não dê doces, ou guloseimas humanas (pipocas, sorvetes, pizzas, cervejas, etc) para seu Pet. Neste caso forneça
snacks ou petiscos próprios para animais (cães e gatos), vendidos em Pet Shops, Agropecuárias ou Supermercados.
Prefira os funcionais (aqueles que previnem tártaro, melhoram o hálito ou diminuem o odor das fezes) do que os simples biscoitos sem funcionalidade.

Não dê ossos de galinha para seu cão ou gato.

Não o alimente muito tarde da noite e principalmente não brinque ou agite seu animal após as refeições para evitar problemas, principalmente torção de estômago.

Forneça água fresca e limpa. Troque a água da vasilha diversas vezes ao dia.

Limpe as vasilhas do alimento todo dia.

Estas são algumas dicas. Para maiores esclarecimentos converse com seu veterinário ou com um profissional de pet shop ou agropecuária de confiança, ou acesse o site ou ligue para o SAC das Empresas de rações.


Paulo José Cristofolete
Médico Veterinário
CRMV-SP 11087



O condicionamento dos cães

Quando um cão começa a conviver com as pessoas num mesmo ambiente, ele não muda os seus comportamentos instintivos, mas estes são condicionados conforme o didático aplicado por cada indivíduo daquele espaço. É necessário um método de adestramento eficiente que consiste em adestrar os cães (desde os 45 dias) juntamente com seus donos, moldando seus hábitos e ao mesmo tempo, aplicando uma didática prática que não altere seus instintos naturais (realizar um condicionamento com palavras curtas e claras).
Um dos grandes problemas é ensinar ao cão onde ele deve fazer as necessidades fisiológicas. Mas, você perceberá que é uma tarefa muito simples. Primeiramente, escolha um local bem acessível, de fácil limpeza e forre-o com jornal. Após as refeições, fique atento. Leve o cão rapidamente para o local escolhido. Diga “passeia” e assim que o cão urinar ou evacuar limpe o local. Troque o jornal, mantendo uma folha suja por baixo das demais (o odor vai atraí-lo da próxima vez).
Assim, repita o procedimento a cada refeição. Se o cão fizer as necessidades no lugar correto reduza o espaço, retirando as folhas do jornal. Se fizer em local diferente, nunca bata no animal. Limpe bem o local para eliminar o cheiro. Dessa forma, quando você retirar todo o jornal, o cão já estará condicionado a urinar ou defecar em um único local.


José Soares dos Santos Neto - adestrador de cães
www.hungarosoares.com.br
escola@hungarosoares.com.br



Você é um Proprietário Responsável?

Ter um animal de estimação em casa exige uma série de atitudes que farão de você um proprietário responsável.
Ser responsável é muito mais que oferecer alimento e abrigo, é preciso:
- cuidar com dedicação;
- educá-lo com paciência e sem agressões;
- ter espaço disponível adequado ao tamanho de seu cão;
- vacinar e vermifugar, evitando as zoonoses e protegendo sua saúde (ver zoonoses);
- consultar sempre um veterinário (a cada 6 meses, preventivamente), principalmente se o animal apresentar qualquer sintoma de doença;
- manter o animal domiciliado, não deixando-o solto nas ruas;
- registrar seu cão ou gato no Centro de Controle de Zoonoses (ver Registro Geral do Animal);
- dar banhos periódicos com produtos específicos (ver produtos da Amici);
- passear (pelo menos uma vez ao dia) somente com guia;
- recolher as fezes das ruas, calçadas, praças e parques;
- castrar ou esterilizar, caso você não queira crias, evitando o abandono dos filhotes (ver métodos contraceptivos).

Os cães e gatos são animais domésticos que dependem de nós para viver. Não são brinquedos descartáveis, vivendo em média de 12 a 15 anos. É preciso cuidar do seu animal durante toda a sua vida e não abandoná-lo assim que surgirem os primeiros problemas. O abandono é crime, além de ser a pior coisa que poderia acontecer com um animal de estimação (ver Diário de um Cão).

CUIDE DO SEU MELHOR AMIGO !!!


Beatriz Yuko Kitagawa – Médica Veterinária
CRMV- SP: 14482



Vermifugação de Cães e Gatos

Muitas vezes, os proprietários imaginam que seu animal está livre dos parasitas, pois não percebem a sua presença. Temos que lembrar que muitos “vermes” são pequenos e, às vezes, até microscópicos (não dá para ver a olho nu).
Para que se possa controlar a quantidade de parasitas, deve-se utilizar vermífugos (medicamentos indicados para eliminar vermes intestinais) em todos os pets de todas as faixas etárias.
O processo de vermifugação é importante no tratamento e controle de infestações por parasitas, pois os animais podem estar muito próximos aos proprietários, tendo chance de transmitir uma série de doenças. Além disto, a saúde do animal é preservada com esta atitude.
As infecções podem ser adquiridas via oral (ingestão de água, alimentos contaminados), por contato (percutânea), vetores mecânicos (insetos, parasitas externos como pulgas) e através do contato materno (através do leite e contato direto com a mãe nos primeiros dias de vida).
O esquema de vermifugação (doses e frequência de administração) deve ser estabelecido pelo médico veterinário responsável pelo animal. De maneira geral a vermfugação do pet (cães e gatos) tem início enquanto filhote – a primeira dose do vermífugo deve ser administrado nos primeiros 15 dias de vida do animal. Esta dose deve se repetir mensalmente nos próximos 6 meses.
Deve-se vermifugar os filhotes, pois a mãe pode transmitir estes agentes durante a prenhez e a lactação.
Nas fêmeas gestantes é aconselhável a vermifugação 10 dias antes da cobertura e juntamente com a primeira dose da ninhada.
Em animais adultos recomenda-se a cada 6 meses (esta indicação fica a critério do médico veterinário do animal). Este procedimento deve sofrer um acompanhamento semestral com exames coproparasitológicos (exames de fezes), para determinar se houve re-infestação.
O tratamento pode ser feito com drogas anti-parasitárias (vermífugos), que podem ter ação específica em apenas um tipo de agente (espectro restrito), ou em vários tipos deles (espectro amplo), ficando a cargo de médico veterinário escolher a melhor opção.

Vera Letticie de Azevedo Ruiz
CRMV-SP 14.715

Médica Veterinária Residente pelo Depto. de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (VPS-FMVZ-USP).

Mestranda pelo Depto. de Microbiologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (BMM-ICB-USP).


Vômitos e Diarreia

VÔMITOS

A náusea e o vômito são manifestações que podem ocorrer em várias situações, incluindo: cinetose (vertigem e enjôos provocados por movimentos, durante viagens de carro, por exemplo), obstrução gastrointestinal, úlcera, toxicidade medicamentosa, gastroenterites, corpos estranhos, infecções virais (e bacteriana)e até mesmo uma alimentação inadequada.. Na maioria das vezes, não há nada de alarmante nesse comportamento, contudo é importante que o proprietário seteja atento ao comportamento do animal, porque às vezes o vômito aparece como um dos primeiros sinais de uma enfermidade.

DIARRÉIA

O termo diarréia designa um aumento da freqüência da emissão de fezes que são também mais fluidas e abundantes. É uma das afecções mais freqüentes no cão e geralmente é causada por uma dieta inadequada, presença de vermes no trato gastro intestinal, insuficiências hepáticas e pancreáticas, troca brusca na alimentação, infecções bacterianas e virais.
A diarréia é motivo de preocupação, pois na maioria das vezes está associado a doenças infecciosas.

Os dois sintomas podem ocorrer ao mesmo tempo ou não, e ambos levam a uma desidratação que varia de leve a intensa (na dependencia da patologia associada), comprometendo a saúde do animal, podendo até levar a morte. Cuidado maior deve ser dado a animais jovens, que podem perder grandes quantidades de água em curto período de tempo.
O proprietário deve estar atento a estas manifestações e encaminhar o animal ao médico veterinário de sua confiança. É importante também que ele saiba informar a frequência dos episódios de vomito e/ou diarréia, se ocorrem antes ou depois das refeições, e o aspecto geral ( cor, odor, volume, presença de partículas sólidas, sangue, e outros), para que o médico veterinário consiga estabelecer um correto diagnóstico e a melhor conduta terapêutica.
Seguir os esquemas de vacinação e vermifugação, fornecer alimentação adequada, ter boas práticas de higiene e visitas periódicas ao médico veterinário, são as melhores maneiras de prevenir a ocorrência desses e de outors problemas que comprometem a saúde e o bem-estar dos animais.


Daniela Bochi
Médica Veterinária CRMV-SP: 14.489

Juliana Santiago
Médica Veterinária CRMV-SP:14.506

Proprietárias da Clínica Just 4 Pets


© TORTUGA CIA ZOOTÉCNICA AGRÁRIA
RUA CENTRO AFRICANA, 219 – SANTO AMARO
04730 – 050 – SÃO PAULO (SP) – SAC (+55) 0800-0116262
  Copyright   I   Política de Privacidade   I   Termos de Uso